Mulher que matou o namorado alagoano e simulou suicídio da vítima será levada a júri popular no MT

COMPARTILHE
Por: AlagoasWeb  Data: 09/03/2022 às 14:17
Imagem: Redes sociais

A Justiça do Estado do Mato Grosso deve levar a júri popular, Meire Coelho dos Santos, acusada de matar o namorado com um disparo de arma de fogo. A mulher tirou a vida do alagoano, natural de São Miguel dos Campos, Sérgio Júnior Barbosa da Silva, de 31 anos.

O crime aconteceu no município de Campo Novo do Parecis, na madrugada do dia 18 de setembro de 2020, após um desentendimento entre o casal e Sérgio encerrar o relacionamento.

De acordo com as investigações, Meire simulou que o namorado teria cometido suicídio, relembre: Alagoano morre após supostamente atentar contra a própria vida depois de desentendimento com a namorada no MT

A família nunca se conformou com versão de suicídio e, em menos de um mês de investigações, a polícia descobriu a trama e esclareceu a morte. Meire matou o namorado e simulou o suicido. A mulher teve um relacionamento de pouco mais de seis meses com Sergio.

Desde então ela permanece presa e agora será levada a júri, Namorada é presa como principal suspeita na morte de alagoano que teria cometido suicídio no MT

Considerada uma mulher perigosa, a Justiça decidiu por manter sua prisão e acrescentou ‘que há perigo à ordem pública caso a mulher seja colocada em liberdade, devido ao “modus operandi” do crime e ao risco de recidiva’.

A decisão do júri popular foi divulgada no Diário de Justiça de Cuiabá do dia 3 de março:

“[…] se presentes a prova da materialidade delitiva e os indícios suficientes de autoria ou participação no crime doloso contra a vida, impõe-se o pronunciamento da ré para ser julgada pelo Egrégio Tribunal do Júri”, frisou o texto. “[…] assim como se dá na hipótese, em que a tese defensiva de suicídio da vítima constitui apenas uma das versões sustentadas no processo e não é a única conclusão que se pode extrair das provas dos autos, as quais, portanto, deverão ser mais profundamente analisadas pelo Conselho de Sentença”, completou.