Tempo demais na frente da televisão pode estar associado a demência

COMPARTILHE
Por: Site de Curiosidades  Data: 25/08/2022 às 07:41
Fonte de Imagem: Getty

O estudo do cérebro humano é provavelmente um dos tantos que nunca vai se encerrar, afinal de contas essa é uma parte do corpo humano fundamental e que parece guardar intermináveis mistérios. É verdade que atualmente já se sabe muito mais do que antes em relação ao cérebro e suas funções no funcionamento do organismo, mas muitas coisas ainda são desconhecidas. Estudos são sempre muito bem-vindos e algumas descobertas podem ser muito curiosas, como é o caso de um artigo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, que é uma importante revista científica.

A pesquisa foi conduzida por pesquisadores de duas universidades dos Estados Unidos, Universidade do Sul da Califórnia e Universidade do Arizona, e aponta que passar tempo demais em frente a televisão pode estar associado ao desenvolvimento de demência e o principal argumento é de que a televisão não estimula o cérebro. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisar dados de cerca de 150 mil residentes do Reino Unido. Os dados são resultado de 12 anos de coleta de informações e foram usados com o objetivo de entender qual a relação entre um estilo de vida sedentário e o diagnóstico de demência. No começo do projeto, nenhum dos participantes da pesquisa tinha diagnostico da doença, então os pesquisadores passaram a observar a evolução.

Um dos principais pontos da pesquisa é que o tempo gasto em atividades de lazer não é necessariamente mais importante do que o tipo de atividade. Um dos pontos do artigo é que as pessoas que desenvolveram demência passavam, pelo menos, 3 horas e 24 minutos assistindo televisão – desse grupo, aqueles que passavam mais de 4 horas em frente a TV apresentaram uma chance de até 20% mais vezes de desenvolver a doença, do que aqueles que passavam menos de 2 horas na atividade.

Mas o tempo gasto em frente a televisão não é o único ponto a ser observado, uma vez que períodos semelhantes em frente ao computador pareceu não ter o mesmo efeito. A tese dos pesquisadores é a de que a televisão não estimula o cérebro, ao contrário de outras atividades. Para se ter ideia, o uso moderado do computador, de 1 hora de duração, foi associado a diminuição do risco de desenvolver a doença em 25% quando comparado a uso nenhum do aparelho. “Sabemos de estudos anteriores que assistir televisão envolve baixos níveis de atividade muscular e uso de energia em comparação com o uso de um computador ou leitura“, explicou o pesquisador David Raichlen, autor do estudo.

Passar tempo demais sentado, conforme aponta o estudo, pode diminuir o fluxo sanguíneo no cérebro e, em função disso, aumentar os riscos de desenvolver a doença; no entanto, a estimulação cerebral parece ser capaz de rebater esse aumento de exposição e essa estimulação pode se dar de diversas formas. Computadores, jogos, leituras, passatempo são todas maneiras de estimular o cérebro. Além da demência, que foi alvo do estudo, outras pesquisas já mostraram que a estimulação cerebral também esta associada a redução de risco de outras doenças – não à toa é incentivada por médicos.