‘Salários iam para Fidel’, lembra Bolsonaro ao falar sobre Mais Médicos durante lançamento de novo programa

COMPARTILHE
Por: Jovem Pan  Data: 19/04/2022 às 13:26
Fonte de Imagem: Isac Nóbrega/PR

No evento de lançamento do programa Médicos Pelo Brasil, que substitui o Mais Médicos e deve reforçar o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que o novo programa não é uma continuação do anterior, criado em 2013, no governo da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), e que contava com profissionais cubanos sem diploma válido no Brasil.

“Entre outras coisas, 80% do salário ia diretamente para Fidel Castro. O pessoal ficava aproximadamente com 20% aqui. Nós tentamos emendar o projeto, de modo que eles pudessem receber o salário no Banco do Brasil ou Caixa Econômica. A oposição, ou melhor, situação naquela época, a esquerda, passou por cima disso. Não foi possível. Tentamos também fazer o mínimo de teste da pessoa, não é um Revalida, não, um mínimo de teste simples, para saber, por exemplo, se Benzetacil é endovenosa, se é muscular, se é oral. Tenho certeza que a maioria não seria aprovada, não conseguiria responder”, disse Bolsonaro.

O programa Médicos Pelo Brasil permite a entrada de médicos estrangeiros ou brasileiros formados no exterior, mas exige a aprovação no exame Revalida, que dá valor legal ao diploma de outro país. Inicialmente, são 4,6 mil vagas para atender quase 2 mil cidades brasileiras.

No lançamento do programa foram contratados 529 profissionais de saúde para a primeira etapa. Até o fim deste mês devem ser convocados 1,7 mil médicos. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o novo programa servirá “de verdade” para assistência à população, com médicos preparados.

“Todos nós nos lembramos o que aconteceu nos anos de 2013 e 2014. O governo que estava de plantão à época trouxe um programa que consistia em importar médicos de uma ditadura da América Latina. E esse programa, esses médicos que vinham para o Brasil, 80% do que eles recebiam era retornado para o país de origem. Esses colegas não tinham autonomia para sequer receber o suor do seu trabalho, que eles ganhavam prestando assistência. Isso, no governo Bolsonaro, não acontece mais”, disse Queiroga.