Recém-nascida é encontrada dentro de banheiro em shopping em PE

COMPARTILHE !!
Por: Fiolha PE  Data: 06/12/2022 às 18:56
Imagem: Reprodução G1-PE

Uma recém-nascida foi encontrada em um banheiro do Shopping Guararapes, na cidade de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife. Segundo informações iniciais da Polícia Militar de Pernambuco, ela ainda estava com o cordão umbilical.

Uma funcionária do centro de compras foi quem encontrou a recém-nascida, na tarde do último sábado (3). Em nota, o Shopping Guararapes informou que a mulher achou a criança enrolada em um pano.

A segurança e a brigada de Bombeiros do shopping acionaram a Polícia Militar e o Conselho Tutelar de Jaboatão dos Guararapes.

Segundo a PM, a recém-nascida foi levada pela polícia e a mulher que a encontrou para o Hospital Geral de Prazeres, onde foi examinada. Em seguida, foi transferida para o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), no bairro dos Coelhos, área central do Recife, para novos exames.

Até o momento, responsáveis pelo abandono de incapaz não foram identificados.

“O Shopping Guararapes lamenta o ocorrido e está à disposição das autoridades policiais no sentido de colaborar com o necessário, para que a polícia identifique o (a) responsável pelo abandono”, afirmou comunicado do shopping.

Próximos passos
Conselheiro tutelar de Jaboatão, Fernando Santos disse à Folha de Pernambuco que, depois de receber alta do hospital, a bebê será encaminhada a um centro de acolhimento, onde ficará até algum parente da criança se apresentar ou um juiz determinar um prazo para ela ser entregue à adoção.

“Nós vamos procurar [os pais], o shopping também vai analisar as imagens das câmeras de segurança para ajudar nessa identificação. Vamos ver se alguém da família se manifesta. Como repercutiu muito essa notícia, a gente espera que apareça alguém à procura da criança”, disse.

Os parentes da menina podem procurar qualquer uma das sete regionais do Conselho Tutelar de Jaboatão. Também há a opção de se apresentar à polícia, que, em casos como esse, também aciona o Conselho, responsável pela assistência à criança.

Reprodução G1-PE