Quase metade dos brasileiros deixam filhos sem qualquer supervisão na internet

COMPARTILHE
Por: Canal Tech  Data: 23/07/2022 às 07:43
Fonte de Imagem: Katerina HolmesPexels

Uma pesquisa realizada pela empresa de cibersegurança NortonLifeLock apontou que as crianças e adolescentes brasileiros têm pouca ou nenhuma supervisão dos pais sobre suas atividades na internet. Segundo o levantamento, 42% dos pais permitem que seus filhos menores de 18 anos acessem a internet sem nenhum tipo de monitoramento.

No entanto, esses pais sabem que a falta de monitoramento pode colocar seus filhos em situações perigosas. Dos mais de mil pais que foram ouvidos pela pesquisa, 74% relatam que seus filhos já foram expostos a situações perigosas enquanto utilizavam a internet sem a supervisão dos pais.

A falta de supervisão dos pais em relação às crianças e adolescentes é um tanto quanto confusa, já que 78% dos pais pesquisados acreditam que crianças utilizando a internet sem supervisão são mais propensas a fornecer informações sensíveis de familiares. Além disso, 33% dos entrevistados disseram que seus filhos já clicaram em links inseguros usando os celulares dos pais.

Conteúdo acessado pelos filhos também é preocupação
Outra grande preocupação dos pais em relação aos conteúdos acessados está no que seus filhos acessam efetivamente quando usam a internet. Entre os entrevistados, 43% disseram que seus filhos entraram em contato com alguém sem querer, enquanto 18% acessaram conteúdos impróprios para sua idade e 17% fizeram pelo menos uma compra não autorizada pelos pais.

Por saber que as crianças e adolescentes são mais vulneráveis, alguns cibercriminosos direcionaram suas táticas para este público, com golpes cada vez mais sofisticados. Porém, os pais dizem que monitorar a atividade online dos filhos é uma tarefa bastante complexa. Embora 93% afirmem que é importante conversar com os filhos sobre segurança cibernética, 82% acreditam que é difícil manter seus filhos seguros na internet.

Como proteger os filhos crianças e adolescentes na internet
“Grande parte das vidas das crianças é realizada no ambiente online, e, como mãe de uma filha pequena, muitas vezes me preocupo com a sua segurança nessas situações”, diz Alexa Matteri, diretora da América Latina da NortonLifeLock.

“Embora não haja uma solução infalível, ter conversas frequentes com seus filhos sobre segurança cibernética, usar um gerenciador de senhas para armazenar senhas complexas com segurança e ser inerentemente cético sobre qualquer coisa que você encontre online são etapas que todas as famílias podem seguir para viver suas vidas digitais com segurança”, conclui a pesquisadora.