Losartana: quem toma o medicamento recolhido deve fazer o que?

COMPARTILHE
Por: Olhar Digital  Data: 11/03/2022 às 14:48
Fonte de Imagem: Adao/Shutterstock

Medicamentos com o princípio ativo Losartana estão em uma lista de recolhimento preventivo da farmacêutica Sanofi Medley. De acordo com a empresa, o recolhimento do medicamento utilizado para tratamento de pressão alta e insuficiência cardíaca  é uma “medida de precaução devido à presença de impurezas mutagênicas nos produtos”. 

Essas impurezas podem causar alterações no DNA, podendo levar ao aumento das chances de desenvolver algumas doenças, incluindo o câncer. No entanto, pacientes que usam esse medicamento devem interromper o tratamento? E o que fazer com as unidades sobrando?

Losartana recolhido
A primeira recomendação é de que quem utiliza o Losartana não deve interromper o tratamento. Segundo a farmacêutica, para o uso pode trazer riscos para o paciente. Então, nesse caso é preciso procurar um médico para avaliar a situação. A Sociedade Brasileira de Cardiologia disse em nota que “não foram relatados problemas semelhantes em outros medicamentos pertencentes à classe de bloqueadores dos receptores de angiotensina em nosso país, ou mesmo de losartana em monoterapia ou combinação por outras indústrias farmacêuticas”.

A SCB ainda diz que “ressaltamos ainda que essa classe de fármacos apresenta evidências científicas robustas, produzidas ao longo de décadas, no tratamento de diversos fatores de risco e doenças cardiovasculares”.

Serão recolhidos os seguintes remédios com Losartana:  

  • Valtrian® HCT (losartana potássica + hidroclorotiazida) 50mg + 12,5mg 
  • Valtrian® 50mg 
  • 100mg (losartana potássica) comprimidos 

Pacientes que tiverem qualquer medicamento com Losartana em casa devem entrar em contato com o SAC da Medley por meio do telefone 0800-703-0014 (segunda a sexta-feira, das 08h00 às 18h00) para que um representante da empresa faça a coleta.  

“Este recolhimento é uma medida de precaução e, até o momento, não existem dados para sugerir que o produto que contém a impureza causou uma mudança na frequência ou natureza dos eventos adversos relacionados a cânceres, anomalias congênitas ou distúrbios de fertilidade. Assim, não há risco imediato em relação ao uso dessas medicações contendo losartana”, explicou em nota a farmacêutica.