Jacaré gigante é retirado de lago com pá carregadeira no Tocantins

COMPARTILHE
Por: Correio 24 Horas  Data: 25/07/2022 às 06:17
Fonte de Imagem: Reprodução

Um jacaré gigante, de mais de quatro metros de comprimento, foi capturado em um lago, em Luzimangues, distrito de Porto Nacional, em Tocantins, no sábado, dia 23. O animal foi amarrado por cordas e içado por uma pá carregadeira após ser visto por trabalhadores de uma mineradora. O réptil foi colocado em um caminhão caçamba e transportado para outro local. 

De acordo com um funcionário da empresa, o animal foi visto quando um colaborador subiu na balsa. O jacaré estava no lago com a boca aberta. A área é frequentada por várias pessoas, principalmente, durante esse período seco, quando o calor fica mais intenso.

O Corpo de Bombeiros informou que foi acionado e, quando chegou ao local, se deparou com o animal vivo e capturado pelos funcionários da empresa Potti Mineradora. Disse ainda que, logo após, o animal foi colocado em uma caçamba da subprefeitura de Porto Nacional e conduzido por funcionários para os mangues do lago, onde não há visita de pessoas.

Também chamada, a Polícia Militar disse que ter recebido informações sobre tentativas de ataque ao animal. No local, os militares perceberam que o jacaré estava com lesões antigas, sem as patas dianteiras e provavelmente cego de um olho.

Ao g1, o biólogo Aluísio Vasconcelos, é preciso levar em conta as circunstâncias em que o animal foi encontrado e as condições disponíveis.

“Quando a gente vai fazer o manejo de jacarés, no caso esse é um jacaré-açu, geralmente a gente venda os olhos, amarra a boca e aí ele fica imóvel. Com várias pessoas, se amarra as patas dianteiras e traseiras. Só depois a gente consegue manusear o animal sem sofrer algum acidente ou deixá-lo estressado”, explicou.

Na visão dele, considerando o tamanho do jacaré e o fato de ele ter sido transportado de forma rápida com ajuda dos equipamentos, o animal não deve ter passado por situação de sofrimento.

“Não vou dizer que foi errado. Poderiam ter feito esse manejo correto, mas pelo vídeo deu para ver que foi algo rápido. Agora não podia ter deixado aquele monte de gente olhando. Quanto mais gente se tem próxima do animal, mais estresse ele sofre”, argumentou.