‘Irá acontecer daqui a 4h e eu tô bem de boa’, escreveu atirador antes de invadir escola e matar aluna cadeirante

COMPARTILHE !!
Por: Correio 24 Horas  Data: 26/09/2022 às 16:04
Imagem: Reprodução

Horas antes de invadir a Escola Municipal Eurides Sant’anna, na manhã desta segunda-feira (26), o atirador responsável pela morte de Geane da Silva de Brito, 19, escreveu em uma rede social dizendo que estava calmo e “de boa”. “Nem parece que irei aparecer em todos jornais hoje”, acrescentou. 

Reveja: Jovem armado invade escola e mata aluna cadeirante

No perfil, o atirador postava fotos com roupas e máscara preta, vestido do mesmo modo que invadiu a escola. Legendas mostravam que o crime foi planejado há meses. Com frequência o agressor escrevia sobre conseguir munição, além de postar fotos com facas. Ele também usava a rede social para xingar nordestinos, judeus e público LGBTQIAP+. 

“Sai da capital do Brasil para o ‘merdeste’ e nunca pensei que aqui fosse tão repugnante. Lésbicas, gays e marginais aos montes, acham que são dignos de me conhecer e conhecer minha santidade. Os farei clamar pela minha misericórdia, sentirão a ira divina”, declarou. 

O agressor era recém-chegado do Distrito Federal e não mantinha frequência escolar desde a transferência para a Bahia. Ele matou a estudante Geane, que era cadeirante, com dois tiros e golpes de facão. 

Ele foi até a direção de Geane, que estava perto da cantina, e atirou duas vezes contra ela. Depois, partiu para cima da aluna com as facas. A aluna morreu ainda no local. Freitas diz que o invasor chegou a realizar outros disparos, porém, não chegou a atingir outros estudantes. 

O atirador publicou e fixou uma “carta de despedida” na última quinta-feira (22), no texto, ele afirma que não tem problemas mentais e tem tendências homicidas desde pequeno. No último domingo (25) ele postou na rede social dizendo que deu o último abraço no pai. 

Psiquiatra, doutora em medicina e coordenadora do Centro de Estudos da Holiste Psiquiatria, Fabiana Nery explica que é difícil definir o caso concreto sem avaliação direta do indivíduo, porém, do ponto de vista teórico, a psiquiatria avalia alterações do pensamento e comportamento, a exemplo de delírios. 

Fabiana explica que o delírio é uma crença inabalável no qual o indivíduo acredita em algo de forma imutável, mesmo quando não há lógica ou comprovação. A partir da alteração do pensamento, o indivíduo começa a se comportar de maneira alterada, até, se não houve tratamento, ferir os outros ou a si mesmo. 

“Tamanha sua ira, que suas vítimas entenderam seus motivos apenas olhando para o se entreaberto olhar. O dia do julgamento havia chegado, e, pela primeira vez, os impuros depararam-se com uma legítima divindade”, escreveu o atirador. O jovem referia-se a si mesmo como divindade com frequência nas redes sociais. 

Contudo, a especialista ressalta que nem todos casos de violência acontecem por questão patológica, podendo acontecer também devido a traços da personalidade do indivíduo, ou seja, nem todo ato de violência vai ser secundário a transtornos psiquiátricos. 

“Uma dica é, se houve mudança do padrão de comportamento, seja porque ficou mais isolado, irritado, ríspido com a família, é sinal de alerta para entender o que está acontecendo com o indivíduo. É prestar atenção nas pessoas que estão ao nosso redor e oferecer ajuda, […] fazer intervenção precoce”, alerta.

Reprodução