Inelegível em Alagoas, Gustavo Feijó é pré-candidato à presidência da CBF

COMPARTILHE
Por: Com Bahia Noticias  Data: 16/02/2022 às 07:44
Fonte de Imagem: Reprodução

Atual vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e um dos pré-candidatos ao cargo máximo da entidade, o alagoano Gustavo Feijó foi declarado inelegível por oito anos pela Justiça Eleitoral de Alagoas. O gestor terá de pagar uma multa de R$ 28 mil.

A juíza Paula de Goes Brito Pontes, da 48ª zona eleitoral do estado, determinou, no dia 10 de janeiro, que o cartola “incorreu em abuso de poder político”. O motivo isso foi ele ter se aproveitado de “sua posição de prefeito para anunciar benefícios à população”. 

Reveja: Ex-prefeito e atual de Boca da Mata são condenados por abuso de poder

O caso ocorreu durante a campanha de 2020, enquanto Feijó era prefeito de Boca da Mata. Seu sobrinho, Bruno Feijó, concorria ao cargo, e o então gestor anunciou em um evento o pagamento antecipado do salário ao funcionalismo público. Bruno venceu o pleito por uma diferença de 44 votos.  

Gustavo Feijó é o atual diretor de seleções da CBF. Ele também foi punido por realizar obra pública em empreendimento privado para beneficiar o sobrinho, que terá de pagar R$ 1 mil de multa. 

O vice da entidade máxima do futebol nega os acontecimentos, alegando que o pagamento antecipado de salários era prática comum de sua gestão. Sobre a obra, afirma que foi a “recuperação de uma estrada vicinal em um ponto turístico da cidade”. Ele já recorreu da decisão. O caso segue no Ministério Público de Alagoas. 

De qualquer forma, Feijó só não poderá concorrer a cargo político após esgotar todos os recursos na Justiça Eleitoral. 

“São fatos de relevâncias pequena. A obra em questão foi feita numa estrada vicinal. Não foi feita em área particular. Além disso, o meu cliente não era candidato. Mesmo que fosse verdade, o que não é, a pena de inelegibilidade é muito dura. Já a questão do comício não tem qualquer proibição da legislação eleitoral. Ele pode relatar ações suas na administração. Isso não é vedado pela Justiça Eleitoral. Por isso, acreditamos que vamos reverter a decisão”, afirmou o advogado de Gustavo, Thiago Bonfim. 

Gustavo Feijó pretende concorrer à presidência da CBF contra o atual mandatário em exercício, o baiano Ednaldo Rodrigues. O pleito escolherá o substituto de Rogério Caboclo, afastado em junho de 2021 por causa de denúncias de funcionários e funcionárias de assédio moral e sexual. 

Atualmente, Caboclo cumpre suspensão de 21 meses, e o segundo caso deve ser avaliado ainda em fevereiro deste ano. Caso ele seja novamente considerado culpado, a eleição na CBF acontecerá em 30 dias. Quem vencer, cumpre o resto do mandato do presidente afastado, que dura até abril de 2023.