Homem que jogou ácido na ex-companheira e na ex-cunhada é condenado a 6 anos de prisão

COMPARTILHE
Por: Array / Com TJ/AL  Data: 20/11/2019 às 16:10
Fonte de Imagem: Reprodução TV Gazeta

Mulheres sofreram queimaduras em diversas partes do corpo e do rosto

Foi condenado a 6 anos e oito meses de prisão, nesta quarta-feira (20), o réu José Gilbenes dos Santos Galvão, acusado de jogar ácido na ex-companheira, em fevereiro deste ano, em Marechal Deodoro. Ele também deverá cumprir um ano de detenção por haver atacado a irmã da vítima com o mesmo produto.

A sentença foi proferida pelo juiz Allysson Amorim, da 1ª Vara da Comarca. “O réu cometeu o crime de forma premeditada, tanto é que providenciou antecipadamente a obtenção da substância corrosiva para atingir a integridade física das vítimas”, afirmou o magistrado.

O crime ocorreu quando as mulheres, Erivânia Vicente dos Santos, e a irmã, Erineide Vicente dos Santos, estavam em uma loja de roupas. De acordo com a ex-companheira de José Gilbenes, ele apareceu no estabelecimento com uma garrafa na mão. O acusado teria pedido para conversar, mas ela se negou a falar com ele.

O réu, então, a empurrou e jogou ácido nela. A irmã da mulher, que tentou defendê-la, também foi atingida. As vítimas tiveram queimaduras em diversas partes do corpo e do rosto. De acordo com os autos, o crime foi motivado por ciúmes do acusado.

Em depoimento, José Gilbenes confessou o crime. Disse que tentou falar com a ex-companheira, mas que ela se negou. Tendo ficado com raiva, jogou o ácido nela e na ex-cunhada.

“As provas colhidas se mostram firmes e coerentes, havendo harmonia entre a confissão do réu, as declarações da vítima e da declarante, bem como da prova pericial. Não há dúvida de que o réu lesionou as vítimas, jogando produto químico em diversas partes de seu corpo, causando-lhes queimaduras graves”, ressaltou o juiz Allysson Amorim. As penas deverão ser cumpridas em regime inicialmente fechado.