GranBio prevê dobrar capacidade de etanol 2G em São Miguel dos Campos, avalia combustível de aviação

COMPARTILHE
Por: Mix Vale  Data: 03/06/2022 às 09:56
Fonte de Imagem: AlagoasWeb/Arquivo

A GranBio, pioneira em etanol de segunda geração (E2G) no Brasil, iniciou um processo de investimento para dobrar a capacidade de produção de combustíveis avançados na BioFlex, unidade do grupo em São Miguel dos Campos, disse o CEO e fundador da empresa à Reuters.

Segundo Bernardo Gradin, a Bioflex terá sua capacidade de produção elevada para 60 milhões de litros até 2024, e parte dessa expansão poderá ser convertida para a fabricação de combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês), cuja matéria-prima, assim como a do E2G, é composta por biomassa, como resíduos agrícolas.

“Paralelamente, a GranBio está concluindo uma planta piloto integrada de 2G SAF com parceiros em sua unidade de Thomaston na Geórgia (EUA), e considera converter parte da produção da planta BioFlex I em SAF no futuro”, afirmou Gradin.

Ele preferiu não mencionar os investimentos realizados nas unidades.

Tanto o etanol 2G como o SAF estão despertando interesse de players no Brasil, país que tem grande potencial de desenvolver tais combustíveis avançados, já contando com demanda especialmente na Europa.

Recentemente, o CEO da Raízen, Ricardo Mussa, afirmou que a companhia deverá acelerar o plano de expansão de unidades de etanol 2G, uma vez que os preços e contratos de longo prazo dão segurança para tais investimentos.

A Raízen, joint venture da Cosan com a Shell, possui uma unidade de E2G em operação e outras três em construção no Brasil.

No que diz respeito ao SAF –outro foco de interesse da GranBio–, a Vibra Energia e a Brasil BioFuels (BBF) anunciaram recentemente um empreendimento previsto para a região Norte, que deve contemplar também o chamado “diesel verde”.

O SAF é visto como uma alternativa para descarbonizar a aviação comercial.