Francisco Reynés (Naturgy): ‘A transformação deve ser uma constante’

COMPARTILHE
Por: Array / Assessoria  Data: 06/11/2018 às 12:35
Fonte de Imagem: Reprodução

Francisco Reynes, presidente executivo da Naturgy, interveio no XVII Congresso de Diretivos da Confederação Espanhola de Diretivos e Executivos (CEDE), celebrado em Palma de Mallorca, numa conferência intitulada “A transformação das organizações”. Nela, Reynés analisou os desafios atuais aos quais se enfrentam as empresas durante a sua transformação e adaptação a ambientes variáveis. “As empresas não podem ser entidades estáticas. Estamos obrigados a mudar, a assumir riscos para avançar, e a transformação deve ser uma constante para nós”, destacou o presidente executivo da empresa energética.

Durante a sua intervenção, Reynés esteve acompanhado pelo Pepe, um robô humanoide fabricado pela SoftBank Robotics, capaz de reproduzir algumas atividades humanas graças a várias câmaras, sensores e modelos baseados na inteligência artificial. Pepe foi incorporado à Naturgy para realizar ensaios-piloto no âmbito do atendimento ao cliente mediante chatbots e como assistente virtual. Juntamente com o Pepe, o presidente aproveitou o 50º aniversário da estreia do filme 2001: A Space Odyssey para explicar a evolução das tecnologias e a sua aplicação para o desenvolvimento da sociedade.

Francisco Reynés indicou que as pessoas, os processos, o know-how, os ativos, os clientes e a reputação são as peças que conformam as vantagens competitivas. Paralelamente, os elementos do ambiente, como a situação económica, o marco político e regulatório, as evoluções tecnológicas, as tendências de mercado e os competidores são os pontos de inflexão que obrigam a adaptar e transformar essas vantagens competitivas.

Referindo-se ao caso energético, Reynés assegurou que “nada é nem será como o tínhamos conhecido”. O presidente executivo falou das grandes tendências-chave do sector, especialmente no caso das energias renováveis, a mobilidade, o gás natural e a digitalização. “No cenário atual e no futuro próximo é importante assegurar simultaneamente os três pilares do aprovisionamento energético: custos baixos, contribuição aos objetivos de melhoria ambiental e fiabilidade do abastecimento”, adicionou.

Sobre a Naturgy, Francisco Reynés Massanet explicou como a empresa está a protagonizar esta transformação no sector energético, baseando-se principalmente na mudança cultural, que passa pela simplicidade, o empowerment para os diretivos e a importância das equipas.

Francisco Reynés enfatizou a necessidade das empresas em terem “claridade nos seus princípios de atuação, uma aplicação perseverante e determinação para vencer os obstáculos que apareçam” nos processos de transformação. “O medo de se enganarem, as mudanças nos hábitos e as atitudes individuais são alguns dos freios que as empresas deveriam superar, enquanto o compromisso com a mudança, a ambição de sucesso e a coesão da equipa são os agentes da mudança que devem ser potenciados”, resumiu Reynés.

A empresa Naturgy foi premiada recentemente pela Association of Energy Engineers (AEE) com o “2018 Innovative Energy Project of the Year”, pelo projeto DirectLinkLNG, o primeiro sistema flutuante para a transferência de gás natural liquefeito (GNL).