Família de criança vítima de engasgo reencontra socorristas do Samu

COMPARTILHE
Por: Ascom Samu/AL  Data: 09/12/2021 às 14:08
Fonte de Imagem: Olival Santos

Salvar vidas é a prioridade máxima dentro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Alagoas e, esta semana, uma equipe de socorristas da Central Arapiraca pode celebrar este objetivo, durante o reencontro com uma paciente especial. A pequena Agatha Sofia, de apenas um ano de idade, ficou engasgada e os familiares, às pressas, decidiram levá-la até a Central do Samu na cidade, onde ela foi socorrida e teve a vida salva.

Diagnosticada com uma virose desde o último dia 29 de novembro, a criança apresentava recuperação lenta: sem vontade de se alimentar ou beber água e, ainda, com um quadro de diarreia e vômitos recorrentes. Com isso, os pais de Agatha a levaram para a pediatria do Hospital Regional de Arapiraca. Exames realizados na unidade não constataram gravidade no quadro e ela recebeu alta e prescrição para tratamento em casa.

Até que, na manhã do dia 1º deste mês, quando se alimentava, Agatha se engasgou – inicialmente, pela movimentação da criança, a mãe, Mauriceia Vieira, acreditou se tratar de mais um vômito e posicionou a criança com a cabeça para baixo para que pudesse evacuar. “Quando percebi que não saiu nada, percebi que estava engasgada e ficando roxa. Fiquei desesperada e chamei meu cunhado que, graças a Deus, estava em casa e saímos de moto mesmo, em direção ao hospital”, relembrou a mãe.

Socorristas relembraram o caso e conversaram com a família sobre o atendimento

Já em deslocamento, lembraram que, no caminho, estava também a Central Arapiraca do Samu Alagoas e foi lá que decidiram pedir socorro. Assim que entraram no portão, encontraram a enfermeira socorrista Nelva Rubia. “Parece que tudo foi providencial, porque este dia sequer faz parte do meu plantão. Tinha feito uma troca com uma colega e, por coincidência, momentos antes, tinha ido na parte administrativa, localizada próxima da entrada”, relata a enfermeira, ao ressaltar, ainda, que o tempo-resposta para esses casos é essencial.

“Quando a mãe me encontrou, não conseguia dizer nada e só me entregou a criança. Percebi que a menina estava em parada cardiorrespiratória e, ali mesmo, comecei a fazer os procedimentos, já que é uma distância considerável entre o portão e o estacionamento das viaturas e não poderia perder esse tempo”, relembrou.

O médico socorrista Lucas Pereira chegou, enquanto Nelva já realizava as manobras de reanimação cardiorrespiratória (RCP) e a criança começou a dar sinais de recuperação. “Levamos ela até uma viatura para realização dos procedimentos adequados, enquanto também era preenchida a ficha médica. Colocamos ela na oxigenação e fizemos a punção na veia para hidratação e medicação. Pouco tempo depois, ela começou a chorar com força, o que para muitos significa um problema, mas, para a situação, era um sinal de alívio, já que as vias aéreas estavam finalmente desobstruídas”, explica o médico.

Após os procedimentos, ainda no estacionamento da Central Arapiraca, Agatha foi encaminhada numa Unidade de Suporte Avançado (USA) do Samu Alagoas para o Hospital Regional, onde realizou novos exames.

Socorristas que realizaram o atendimento gatha explicaram as circunstâncias do caso

Reencontro – Além da mãe, a pequena Agatha estava acompanhada do tio, Oséias Otávio, que guiava a moto no dia do incidente. “É uma emoção muito grande poder reencontrar os profissionais que salvaram a vida dela. Seremos eternamente gratos”, agradeceu Oséias. O pai, Josué Oliveira, também fez questão de reencontrar os socorristas. “Essa história poderia ter terminado de um jeito muito ruim, mas, ainda bem que encontramos os profissionais certos para salvar a vida dela”, contou Josué.

Na ocasião, Nelva também disse que se sentia muito privilegiada de poder reencontrar essa paciente tão especial para ela. “Geralmente, a gente só entrega os pacientes para as unidades de saúde e não consegue mais acompanhar o andamento dos casos. É muito bom saber que essa história teve um final feliz e me sinto muito grata por estar aqui e ver essa menina bem”, finalizou a enfermeira.

Quando acionar o Samu – O serviço deve ser acionado sempre através de ligação gratuita para número 192. Por este sistema, que funciona 24 horas por dia, o socorro pode ser iniciado ainda na ligação e viaturas que estejam mais próximas do local podem ser deslocadas para o atendimento.

Além de atender pacientes de engasgo, o serviço atua em ocorrências com vítimas de acidentes de trânsito, quedas da própria altura, ferimentos por arma branca e por arma de fogo, quedas de altura, afogamentos e queimaduras.

O serviço também pode ser acionado para atender casos obstétricos, casos de Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Covid-19 com quadros suspeitos ou confirmados. Por meio do telefone 192 também é possível solicitar assistência para pacientes em surto psiquiátrico.