Agro quer distância de Lula e dobra aposta em Bolsonaro

COMPARTILHE !!
Por: iG  Data: 10/10/2022 às 14:16
Imagem: Reprodução

Empresários do agronegócio , principalmente da região Centro-Oeste do país, se empolgaram com a ida do presidente Jair Bolsonaro (PL) para o segundo turno . Os executivos também comemoraram as vitórias de deputados e senadores bolsonaristas, pois isso servirá como um canal do setor para que suas propostas sigam sendo aprovadas no Congresso Nacional. Por conta disso, a categoria dobrou a aposta no atual mandatário e pretende manter distância de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições 2022 .

Nos últimos 10 dias do primeiro turno, ruralistas se afastaram da campanha de Bolsonaro e iniciaram um diálogo com os petistas porque passaram a acreditar na vitória do ex-presidente no dia 2 de outubro. Porém, com as urnas abertas, um grande grupo de empresários influentes começou a cogitar uma virada do chefe do executivo federal.

Na avaliação deles, a diferença de 5% pode ser revertido, apesar de Lula ter ficado com 1,5% de vencer a eleição no primeiro turno. “Nós acreditamos que o presidente possa virar o jogo. É difícil, mas organização e trabalho podem fazê-lo ganhar e ser reeleito”, explica um executivo do agro.Comece o dia bem-informado com as principais notícias da manhã

O governante não é visto como um líder próximo do agronegócio,  mas o seu entorno o ajuda a ter um excelente diálogo com os ruralistas. O senador Flávio Bolsonaro (PL), o vice da chapa General Braga Netto (PL) e a senadora Tereza Cristina (PL) são vistos como figuras fundamentais para que o setor siga dando as cartas no governo.

“O agro tem mais espaço no governo do que os evangélicos. A diferença é que eles são silenciosos, enquanto os evangélicos gostam do confronto”, diz um deputado reeleito e que tem boa relação com o agronegócio. “Com o Lula, o setor terá que dialogar mais e entrar num meio termo com o meio ambiente. Já com o Bolsonaro, o agro tem prioridade, tem maior poder de decisão”.

Agronegócio não descarta relação com Lula
Porém, caso Bolsonaro não vença, o agronegócio não vai boicotar um governo petista. Os empresários sentarão com o ex-presidente para dialogar e encontrar caminhos para que o setor siga ganhando dinheiro.

Eliezer diz ter os mesmos sintomas da gravidez de Viih Tube

Centrão reage após Bolsonaro falar de proposta sobre reforma do STF

Justiça penhora imóveis de Romário por conta de dívida com Dunga

Continua após a publicidade

No entanto, uma conversa mais profunda só acontecerá se o petista vencer. Por enquanto, ambas as partes só vão “flertar”, tendo reuniões pontuais. Até lá, o foco será na reeleição do atual presidente.