10 celulares que fizeram sucesso nos anos 90 e 2000

Saiba quais celulares eram considerados os modelos top de linha dos anos 90

COMPARTILHE
Por: Oficina da Net  Data: 17/04/2020 às 10:30
Fonte de Imagem: Reprodução
Saiba quais celulares eram considerados os modelos top de linha dos anos 90

Atualmente os aparelhos possuem leitor de digitais, fazem a leitura da pressão, apresentam câmera com mais de 15 megapixels, além de sistemas operacionais que conseguem executar jogos e aplicativos muito pesados. Mas nem sempre os celulares foram assim, nos anos 90 o grande diferencial destes modelos era a possibilidade de mostrar no display o número de quem ligava.

Na época os aparelhos também eram conhecidos como tijolões, e não tinham tantas funções e recursos como os de hoje, no mais os usuários se contentavam com jogos que hoje pode ser simples, mas naquele tempo era um sucesso, como o jogo da cobrinha do modelo Nokia 5120. Para quem não viveu esse período, confira uma seleção com dez telefones que eram considerados última geração e entenda como era esse tempo antes da transformação em smartphones.

10 smartphones que fizeram sucesso nos anos 90 e 2000

Motorola PT-550 (1990)

Reprodução

Motorola PT-550 chegou ao Brasil em 1990 e ficou popularmente conhecido como “tijolão” devido aos 348 gramas e 22,8 cm de altura. O modelo da década de 80 também ficou conhecido como MicroTAC 550 e possuía um flip inovador que permita proteger as teclas e tinha as cores cinza claro e cinza escuro.

Já em suas funções, nada de capacidade de armazenamento ou câmera, mas só identificador de chamada e agenda telefônica. Já a bateria permitia 2 horas de conversação e 15 horas em stand-by. Mesmo com estas configurações o aparelho era caro, na época o Motorola PT-550 era vendido cerca de US$ 3 mil lá fora.

Motorola DPC650 (1995)

Reprodução

Já este modelo lançado em 1995 o Motorola DPC650 também pertencia a família MicroTAC. Bem mais leve que o outro Motorola ele pesava 221 gramas, lembrando que os aparelhos de hoje como o iPhone 6S Plus, por exemplo, pesa 172 gramas.

A bateria tinha metal hidreto quer permita funcionar por 2 horas de conversação, mas 36 horas em espera. Além disso, o modelo no estilo flip, possuía display monocromático e 22 teclas. No geral, o celular tinha suporte multilíngue, nove toques de campainha selecionáveis, além de contador de tempo de ligação e a opção de definir chamadas prioritárias e o mais interessante, sua agenda permitia 20 contatos.

Motorola StarTAC (1996)
Reprodução

Motorola StarTAC tinha um diferencial, já que foi um dos primeiros aparelhos que tinha preocupação com design, já que ele iniciou o estilo clamshell (concha) e tinha apenas 88 gramas, fazendo com que o telefone na época fosse considerado portátil.

Entre isto o aparelho inovou também no modo vibração (que antes era encontrado apenas nos pagers), além da possiblidade de colocar uma segunda bateria, aumentando o tempo de conservação. Já com os recursos, o telefone tinha envio e recebimento de SMS, algo incomum nos aparelhos, com isto o aparelho teve cerca de 60 milhões de unidades vendidas.

Nokia 5120 (1998)
Reprodução

Este modelo utilizava a extinta tecnologia TDMA. Mas o que faz este celular ser lembrado é que foi o primeiro a vir com o “Snake”, conhecido no Brasil como “o jogo da cobrinha”. Mas este jogo só funcionava devido a grande novidade de 1998 a tela “grande” de 5 linhas e incríveis 84 x 48 pixels de resolução.

O Nokia 5120 tinha design em barra media 48 x 132 x 31 mm e pesava 170 g, além de possuir uma antena fixa. O celular também permitia envio de SMS (até 160 caracteres), guardava até 100 números na agenda, chamada em espera, alarme, calculadora e uma impressionante lista de chamadas perdidas/recebidas/realizadas. Já a bateria e NiMh tinha capacidade de 900 mAh o que garantia 3 horas e 15 minutos de conversa e até 200 horas em espera.

Nokia 3310 (2000)
Reprodução

Apesar de ser lançado em 1998, somente em 2000 com o modelo Nokia 3310 que o jogo da cobrinha virou um sucesso imensurável. O aparelho também vinha com outros games como Pairs II, Space Impact e Bantumi.

Outros diferenciais do telefone era previsão de texto T9 e a capacidade de baixar toques (monofônicos), conversor de moeda, calculadora e cronômetro, além do envio SMS.

Com tecnologia GSM e tela de 84 x 48 pixels, o aparelho permitia visualizar uma proteção de tela e papel de parede. Já bateria era duas, uma removível, de níquel metal hidreto, de 900 mAh e outra interna de íon-lítio, de 1.000 mAh. Todas tinham autonomia de 2 horas e 30 minutos a 4 horas e 30 minutos de conversação.

Com apenas 133 gramas, o dispositivo tinha diversas opções de capas frontal e traseiras coloridas.

Siemens A40 (2001)
Reprodução

No Brasil este telefone ficou conhecido como celular da Xuxa, pois a Oi, lançou uma versão especial com cores e desenhos para crianças. O aparelho tinha SMS de piadas e horóscopo, ringtone da música “Ilariê” e mensagem de voz gravada pela apresentadora.

Já nas suas funcionalidade o modelo era GSM dual-band, e com funções como recurso de chamadas, 10 posições para discadas e cinco perdidas (não tinha para recebidas) e caixa postal. No design tinha 118 x 46 x 27 mm e pesava 122 gramas.

Nokia 1100 (2003)
Reprodução

Com teclado de silicone, o Nokia 1100 marcou sua geração. Seu ecrã era monocromático de 96 x 65 pixels, pesava apenas 86 gramas e tinha 106 x 46 x 20 mm de dimensões. Com o jogo clássico Snake o telefone também permita mudar as capas traseira e frontal; destaque para a bateria produzida com íon-lítio (850 mAh).

Motorola RAZR V3 (2004)
Reprodução

Em 2004 a Motorola lançou um aparelho que se tornou sonho de muitos consumidores. O RAZR V3 era um sucesso devido ao seu design. Além de fino, ele possuía duas telas coloridas e um teclado prateado (aço escovado).

O display também chamava atenção com o principal de 2,2 polegadas com resolução de 176 x 220 pixels e o visor frontal de 96 x 80 pixels. Como o modelo tinha como apelo o visual, o telefone ganhou várias versões, como rosa, além de clássicos como prata e preto.

Já em seus recursos o telefone tinha conexão com Internet via WAP, garantindo envio de e-mails, além de SMS e MMS. Com a câmera VGA (640 x 480 pixels) o telefone permita inserir fotos nos contatos da agenda, além das conectividades Bluetooth e mini USB. Por fim o aparelho também reproduzia MP3 e MP4, e compositor de toques, além de permitir baixar sons polifônicos e guardar nos seus 7 MB de armazenamento.

Sony Ericsson K750 (2005)
Reprodução

No ano seguinte a Sony Ericsson lançou o K750 que fez sucesso entre os brasileiros. O aparelho tinha tela de 1,8 polegadas com 176 x 220 pixels de resolução e teclado físico nos seus 10 cm de altura por 4,6 cm de largura.

O diferencial do telefone era sua câmera de 2 megapixels com flash LED e focagem automática que permitia fazer captura de video. Outra novidade presente era o cartão Memory Stick Duo Pro que permita aumentar os originais 38 MB de espaço interno para até 2 GB.

O telefone também vinha com navegador WAP 2.0, Bluetooth, infravermelho, rádio FM e permitia fazer download de jogos e músicas. Sua bateria era de íon-polímero, com capacidade de 900 mAh garantindo 9 horas de conversação.

Sony Ericsson W200 (2007)
Reprodução

Este aparelho foi considerado um celular-walkman, pois com 27 MB de espaço interno mais 2 GB no cartão de memória, ele era uma alternativa ao MP3 player, permitindo acesso imediato ao menu musical, além de rádio FM com possibilidade de definir as 20 estações favoritas.

No geral o celular apresentava 1,8 polegadas com resolução de 128 x 160 pixels, câmera VGA, navegador WAP 2.0, gravador de voz e editor de fotos.

Deu para sentir um pouco de nostalgia daquele tempo? E você que não conhecia, agora pode ver como eram os “smartphones” do passado.