Torcedor do Palmeiras morre de infarto logo após decisão por pênaltis

COMPARTILHE
Por: Noticias ao Minuto  Data: 12/08/2022 às 05:57
Fonte de Imagem: Reprodução

José Pereira de Andrade, mais conhecido como Zé Manco, morreu na noite da quarta-feira (10) logo após a classificação heroica do Palmeiras contra o Atlético-MG, pela Copa Libertadores. Torcedor alviverde e líder da subsede da organizada Mancha Alviverde de Jaguariúna (SP), ele sofreu um infarto fulminante segundos após o pênalti cobrado por Murilo, que garantiu a vaga na semifinal.

A informação foi divulgada inicialmente nas redes sociais da Mancha Verde. Em contato com a reportagem, Izidoro Lopreto, diretor-geral da sede oficial da organizada em São Paulo, contou que Zé Manco assistia ao jogo com amigos na subsede da Mancha em Jaguariúna.

Segundo Izidoro, José Pereira era bastante brincalhão, o que fez alguns torcedores acharem que ele poderia estar brincando com a situação. Segundo antes, Zé Manco havia puxado um grito de guerra da torcida para comemorar a classificação na Libertadores.

“Ele estava assistindo ao jogo na subsede da Mancha em Jaguariúna e, quando o Murilo bateu o último pênalti, naquela euforia e naquela emoção de todo mundo comemorando, os torcedores cantaram o hino e aí ele falou: ‘agora vamos cantar aquela música’. Quando foram cantar, ele caiu. Os caras pensavam que ele estava brincando, porque ele era muito brincalhão, estava sempre de bom-humor”, contou Izidoro.

“Aí ele já estava ficando roxo… Tentaram fazer os primeiros procedimentos, porque tinham umas enfermeiras na subsede, e o levaram ao Hospital Municipal de Jaguariúna. Mas, quando ele chegou, já estava em óbito”, lamentou.
Izidoro e outros membros da sede da Mancha Verde em São Paulo – entre eles o presidente Jorge Luiz e o vice Felipe Mattos, o Fezinho -viajaram até Jaguariúna para acompanhar o velório e o enterro de Zé Manco, que aconteceu no Cemitério Municipal da cidade.

Além disso, as baterias de várias subsedes da Mancha Verde também compareceram ao sepultamento de Zé Manco, que deixa três filhos homens.