Sete horas de sono são ideais – mais ou menos atrapalha a cognição

COMPARTILHE
Por: Diário da Saúde  Data: 17/05/2022 às 11:25
Fonte de Imagem: Zohre Nemati/Unsplash

Sete horas é a quantidade ideal de sono para pessoas da meia-idade para cima, com muito ou muito pouco sono associados a um desempenho cognitivo e saúde mental mais fracos.

O sono desempenha um papel importante na ativação da função cognitiva e na manutenção de uma boa saúde psicológica. E também ajuda a manter o cérebro saudável, removendo os resíduos.

Vários estudos têm mostrado quantas horas de sono precisamos por noite, mas já se sabia também que as crianças e adolescentes têm necessidades de sono diferentes.

Por isso, Yuzhu Li e seus colegas das universidades de Cambridge (Reino Unido) e Fudan (China) queriam saber sobre a necessidade de sono dos adultos mais velhos.

À medida que envelhecemos, muitas vezes vemos alterações em nossos padrões de sono, incluindo dificuldade em adormecer e permanecer dormindo, e uma diminuição da quantidade e da qualidade do sono. Acredita-se que esses distúrbios do sono possam contribuir para o declínio cognitivo e distúrbios psiquiátricos na população idosa.

Sono na medida certa
Os pesquisadores examinaram dados de quase 500.000 adultos com idades entre 38 e 73 anos. Os participantes foram questionados sobre seus padrões de sono, saúde mental e bem-estar, e participaram de uma série de testes cognitivos. Imagens do cérebro e dados genéticos estavam disponíveis para quase 40.000 dos participantes do estudo.

A equipe descobriu que uma duração do sono insuficiente ou excessiva está associada a um pior desempenho cognitivo, impactando velocidade de processamento, atenção visual, memória e habilidades de resolução de problemas.

Sete horas de sono por noite foi a quantidade ideal de sono para o desempenho cognitivo e para uma boa saúde mental, com as pessoas experimentando mais sintomas de ansiedade e depressão e pior bem-estar geral se relatassem dormir por mais ou menos tempo.

Os pesquisadores afirmam que uma possível razão para a associação entre sono insuficiente e declínio cognitivo pode ser devido à interrupção do sono de ondas lentas, mais conhecido como “sono profundo”. A interrupção desse tipo de sono demonstrou ter uma ligação estreita com a consolidação da memória, bem como com o acúmulo de amiloide – uma proteína chave que, quando se dobra incorretamente, pode causar “emaranhados” no cérebro, característicos de algumas formas de demência. Além disso, a falta de sono pode prejudicar a capacidade do cérebro de se livrar das toxinas acumuladas pelo funcionamento normal.

A equipe também encontrou uma ligação entre a quantidade de sono e as diferenças na estrutura das regiões do cérebro envolvidas no processamento cognitivo e na memória, novamente com maiores mudanças associadas a mais ou menos de sete horas de sono.