São Miguel dos Campos é o 8º na criação de empresas em AL, Maceió e Arapiraca tem mais de 50% dos registros

COMPARTILHE
Por: Ascom Juceal  Data: 10/02/2022 às 13:46
Fonte de Imagem: AlagoasWeb/Arq

Para dar continuidade ao estudo sobre o registro empresarial no território alagoano a fim de desenvolver o ambiente de negócios no estado como um todo, a Junta Comercial do Estado de Alagoas (Juceal) publicou a edição anual dos rankings de abertura e extinção de empresas analisando os 102 municípios alagoanos.

Comum aos outros anos, Maceió e Arapiraca seguem como as cidades com os maiores quantitativos para as duas análises. Juntos, os municípios representam 56,5% das aberturas e 55,4% das extinções de negócios no estado.

De todas as 102 cidades analisadas nos rankings, apenas um município apresentou o quantitativo de baixas maior do que o de constituições empresariais, Lagoa da Canoa. Na cidade, foram criados 134 empreendimentos para 198 fechados. Todas as outras localidades apresentaram um superávit no registro de negócios.

Sobre as aberturas, os municípios com maiores quantitativos foram Maceió, Arapiraca, União dos Palmares, Rio Largo, Penedo, Marechal Deodoro, Coruripe, São Miguel dos Campos, Palmeira dos Índios e Delmiro Gouveia. Desses, apenas Coruripe não constava no top 10 em relação ao ranking de 2020.

Como divulgado nessa quarta-feira (09) pela Juceal, Alagoas atingiu uma marca histórica na criação de empreendimentos e isso teve influência também pelo crescimento na maioria dos municípios. O grande destaque nesse sentido foi União dos Palmeiras, que quintuplicou o número em relação a 2020. No município, foram abertos 1.955 negócios em 2021 para 386 no ano anterior, pulando da 9ª posição para o 3º lugar.

Outros destaques que obtiveram crescimento considerável quanto à criação de empreendimentos foram:

  • Coruripe, passando de 310 para 834 empresas e pulando da 12ª para a 7ª posição;
  • Girau do Ponciano, passando de 103 para 279 empresas e pulando da 31ª para a 18ª posição;
  • Pão de Açúcar, passando de 84 para 214 empresas e pulando da 37ª para a 21ª posição;
  • Junqueiro, passando de 86 para 198 empresas e pulando da 36ª para a 25ª posição;
  • Joaquim Gomes, passando de 63 para 141 empresas e pulando da 52ª para a 39ª posição;
  • Jequiá da Praia, passando de 58 para 139 empresas e pulando da 56ª para a 41ª posição;
  • Traipu, passando de 27 para 67 empresas e pulando da 84ª para a 60ª posição;
  • Chã Preta, passando de 17 para 47 empresas e pulando da 96ª para a 75ª posição;
  • Minador do Negrão, passando de 10 para 36 empresas e pulando da 100ª para a 87ª posição.

Ainda sobre o ranking de abertura, apenas seis cidades abriram menos empresas em 2021 do que em 2020. Foram elas Ibateguara, Olho d’Água do Casado, Feliz Deserto, Jaramataia, Tanque d’Arca e Jundiá.

Sobre as extinções, a lista com os maiores quantitativos é formada por Maceió, Arapiraca, Penedo, Rio Largo, União dos Palmares, Coruripe, Marechal Deodoro, São Miguel dos Campos, Delmiro Gouveia e Campo Alegre. Assim como nas aberturas, apenas Coruripe não constava no top 10 em relação ao ranking de 2020.

Apesar da proporção em 2021 ser de três empresas criadas para uma fechada, ainda assim houve um crescimento de extinções no estado. Esse aumento de empresas baixadas levando em consideração 2021 com 2020 só não foi verificado em 12 cidades. Foram elas: Messias, Anadia, Igaci, Ibateguara, Ouro Branco, Carneiros, Belo Monte, Campo Grande, Jacuípe, Monteirópolis, Jacaré dos Homens e Olho d’Água Grande.

Os dez municípios que apresentaram os menores números de baixa somados chegam apenas a 53 extinções. Delas, apenas Pindoba, Chã Preta e Minador do Negrão constavam na mesma lista do ano passado.

Cada quantitativo referente ao município pode ser conferido nas tabelas produzidas pela Junta Comercial.

A Juceal é órgão alagoano de registro empresarial, além de ser a entidade responsável pela administração e pela integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim) no estado.