Renan Calheiros usa o Twitter para defender médium acusado de abuso sexual

COMPARTILHE
Por: Array / Clicrbs  Data: 10/12/2018 às 06:10
Fonte de Imagem: Reprodução

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), através do Twitter, defendeu o médium João de Deus, acusado por mais de 15 mulheres de abuso sexual, neste domingo (9).

Ao afirmar que o religioso não poderia ser “prejulgado, sangrando em vida”, Renan disse que João de Deus não é “um Roger Abdelmassih, um Lasier qualquer”, referindo-se ao senador gaúcho Lasier Martins.

Lasier, através da sua assessoria de imprensa, afirmou a GaúchaZH que “não desceria ao nível dessa figura execrada pela maioria dos brasileiros”.

Veja as postagens
@renancalheiros: Falo com a responsabilidade de quem fez a Lei Maria da Penha, cominou o Feminicídio na legislação, o Observatório do SF,avanços contra a violência,contra a pedofilia e todos de gênero.

@renancalheiros: O médium não é o maior problema do Brasil, não é um Roger Abdelmassih, um lasier qualquer, e deve, até pelo menos o trânsito em julgado, continuar curando a sociedade, que parece mais doente e odienta.

Nas últimas semanas, Renan Calheiros tem feito críticas a Lasier Martins, que iniciou um movimento para evitar que o senador alagoano assuma a presidência da Casa.  No dia 27 de novembro, os dois parlamentares bateram boca no plenário do Senado: Renan fez acusações relacionadas a um inquérito que atingiu Lasier sobre uma suposta agressão do senador a sua mulher, que foi arquivado por falta de provas.  Lasier então subiu a tribuna para responder a Renan e lembrou que o senador alagoano responde a 14 processos.

Caso de agressão foi arquivado
O suposto caso de agressão cometido pelo senador Lasier Martins (PSD-RS) contra  a ex-mulher Janice Santos foi arquivado em outubro de 2017, por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi baseada em relatório do inquérito da Polícia Federal (PF) e parecer da Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília, que concluíram não existir provas do crime. 

No fim de março daquele ano, a então mulher do senador prestou queixa na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), em Brasília, onde afirmou ter sofrido agressões durante uma discussão. Conforme reportagem do Correio Braziliense à epoca, a jornalista acusava o parlamentar de lesão corporal e injúria, alegando que não teria sido a primeira vez que era agredida pelo marido.