Pastor que passava ‘óleo ungido’ nas partes íntimas de fiéis para estupra-las é preso

COMPARTILHE !!
Por: O Documento  Data: 19/05/2022 às 10:06
Imagem: Reprodução

Um pastor de 42 anos suspeito de estuprar pelo menos quatro fiéis da igreja onde atuava, em Confresa (1.160 km de Cuiabá), foi preso nesta quarta-feira (18), na casa dele, localizada no bairro Residencial Nico Baracat, na capital. Entre as vítimas, estão duas adolescentes.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações começaram em agosto do ano passado, após o registro do primeiro boletim de ocorrência contra o pastor. Conforme as denúncias feitas à polícia, os crimes eram cometidos sempre da mesma forma. Durante momentos de oração, o líder religioso falava que tinha que passar óleo ungido nas partes íntimas das vítimas, pois alguém havia feito “magia negra”.

Segundo a polícia, o investigado levava as mulheres, maiores e menores de idade, para um quarto ou outro cômodo da igreja, passava o produto no corpo e nas partes íntimas delas e, em seguida, praticava os abusos.

Uma das vítimas contou que participava de uma conferência na igreja, quando o suspeito a chamou em um quarto fechado e acariciou as partes íntimas dela, usando argumentos ligados ao ministério pastoral a ele confiado. Em outro momento, ele realizou uma chamada de vídeo para a menor, em que aparecia manipulando e exibindo o órgão genital.

A segunda vítima, de 17 anos, relatou aos policiais que em fevereiro deste ano foi até igreja falar com o pastor para que ele fizesse uma oração. Então, ele a levou até o banheiro da igreja, deu um óleo e pediu para passar na barriga.

Logo depois, o suspeito passou o óleo pelo corpo da vítima. A garota disse à polícia que começou a sentir tontura e que, em seguida, o pastou tirou o vestido dela e praticou o estupro.

A polícia informou que o investigado morava em Cuiabá e cometia os crimes quando ia à cidade de Confresa realizar cultos e encontros pastorais.

Com base nas investigações, depoimentos, indícios e provas colhidos pela equipe de investigação, foi representada pela prisão preventiva pelo crime de estupro de vulnerável, deferida pela Justiça.

O mandado foi cumprido por policiais civis do Plantão de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica e Sexual de Cuiabá, coordenados pela delegada Jannira Laranjeira, em apoio à Delegacia de Confresa. Após o cumprimento do mandado, ele será apresentado em audiência de custódia ficando à disposição da Justiça.