Naufrágio de barco clandestino deixa pelo menos 11 mortos no PA

COMPARTILHE
Por: Com G1  Data: 09/09/2022 às 06:06
Fonte de Imagem: Reprodução

O naufrágio de uma embarcação clandestina no Pará já tem 11 mortes confirmadas. Oito pessoas ainda estão desaparecidas.

Imagens divulgadas em redes sociais mostram muita água entrando na embarcação Dona Lourdes, um pouco antes do naufrágio. Passageiros em pânico se jogaram na Baía do Marajó, alguns não usavam coletes salva-vidas.

“Muita criança e muito idoso dentro da lancha. A lotação foi total”, diz um sobrevivente.

A embarcação saiu, às 5h, de Vila do Camará, em Cachoeira do Arari, Ilha do Marajó, no Pará, o destino era Belém. A viagem tinha previsão de duração de cerca de três horas, mas barco naufragou em frente a uma praia da Ilha de Cotijuba, faltando cerca de 20 minutos para fim do trajeto.

Sobreviventes contaram que chegaram até a praia com a ajuda de ribeirinhos.

“O primeiro socorro que eu consegui fazer foi de uma criança e trouxeram para a unidade”, conta Caroline.

A criança de dois anos que a Caroline tentou salvar era a neta da dona Diva. A menina não resistiu.

“Ela lutou muito, mas depois eu perdi minha neta”, lamenta a avó.

Os sobreviventes foram trazidos para uma escola onde receberam água, comida e atendimento médico. O local também serviu de ponto de apoio para quem chegava em busca de notícias de parentes desaparecidos.

A Secretaria de Segurança Pública do Pará montou uma força tarefa para localizar os desaparecidos.

A Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Pará informou que a “M Souza Navegação”, empresa responsável pela embarcação Dona Lourdes, já tinha sido notificada porque não tem autorização para transportar passageiros e que a viagem partiu de um porto clandestino.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Pará, 82 pessoas viajavam no barco. Um dos desaparecidos é o avô da Heluza, de 85 anos.

“Ele mandava eu ir embora para eu cuidar da minha filha”, conta.

As buscas recomeçam na manhã desta sexta-feira (9). O dono da empresa responsável pela embarcação Marcos de Souza Oliveira estava a bordo e sobreviveu, mas ainda não foi encontrado pela polícia.