MPT interdita tanques e suspende produção de etanol na Usina Caeté em São Miguel dos Campos

COMPARTILHE !!
Por: Com Jornal da Cana  Data: 11/10/2022 às 18:41
Imagem: AlagoasWeb/arq

G1 – 11 out 2022 – 09:00

O Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT) interditou, nesta segunda-feira, dia 10, quatro tanques de etanol da usina Caeté, em São Miguel dos Campos. Outro tanque de combustível da usina explodiu no dia 28 de setembro, deixando dois funcionários feridos.

Reveja: Tanque de álcool explode na área industrial da Usina Caeté em São Miguel dos Campos

Segundo o auditor-chefe do MPT, César Marques, a interdição é por tempo ilimitado, até que a causa da explosão seja descoberta. Com os quatro tanques, as linhas de transmissão e as bombas que levam etanol da fábrica para os tanques interditadas, a produção de etanol na usina está suspensa.

“A fábrica vai continuar trabalhando, mas somente com a parte de açúcar. A parte de etanol foi interditada por tempo indeterminado, até que a gente ache as causas [da explosão]”, disse o auditor-chefe do MPT.

As causas da explosão ainda estão sendo investigadas e, por isso, os auditores fiscais do trabalho decidiram pela interdição, como medida de segurança para os trabalhadores da usina.

“A causa ainda está em investigação por eles [usina] e por nós também [auditores fiscais do trabalho] e isso faz com que haja a possibilidade de os outros explodiram também. Já que a gente não sabe a causa, não se pode continuar trabalhando em um ambiente em que acabou de ter um acidente. Então a causa pode estar nos outros tanques também”, afirma Marques.

Após descobrir as causas da explosão, o auditor-chefe disse que a pretensão é trabalhar com outras usinas em Alagoas para evitar acidentes como o que ocorreu na Caeté.

“Em uma segunda etapa, depois que nós acharmos as causas, vamos trabalhar com as outras usinas espalhadas pelo nosso estado, porque a Caeté é uma das melhores empresas, se não for a melhor empresa de açúcar aqui do nosso estado. Ela se preocupa muito com a segurança do trabalhador, tem um corpo técnico muito eficiente. Então, se isso acontece lá, é bem provável que aconteça com as outras também”, disse.