Médico do HGE recomenda redobrar a atenção com as crianças durante as festas juninas

COMPARTILHE
Por: Ascom HGE/AL  Data: 24/06/2022 às 05:46
Fonte de Imagem: Carla Cleto/Thallysson Alves

É natural da criança não mensurar os riscos, se lançar a novas descobertas e agir com impulsividade. É nesse momento que os acidentes domésticos podem ocorrer, por meio de uma queda, de uma colisão ou de qualquer outro ato que ponha em risco a própria saúde, a exemplo de uma queimadura. Diante desta realidade, o cirurgião plástico Fernando Gomes, que atua no Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, ressalta que é preciso responsabilidade durante as celebrações, principalmente com os menores.

A preocupação do médico se baseia no fato de que, no ano passado, dos 470 atendimentos a pacientes que sofreram queimaduras, 140 foram crianças de 0 a 10 anos. Este ano, até o mês de maio, dos 150 usuários assistidos após se queimarem, 53 eram meninos e meninas na mesma faixa etária. Entre eles, está L. G. F. L, de 10 anos, que sofreu queimadura de segundo grau no joelho esquerdo, após guardar os fogos de artifício no bolso.

 “Ele se animou com as brincadeiras e não sabia que os fogos colocados no bolso poderiam entrar em combustão com alta temperatura e o atrito, em consequência da sua movimentação. Foi um susto muito doloroso para ele e seus familiares, mas, no HGE, com a assistência multidisciplinar especializada, em breve estará recuperado e, isso, se tornará mais uma história”, avaliou o médico.

A criança está voltando ao HGE para avaliação do ferimento e troca dos curativos. A família prefere não se identificar, para evitar mais exposições, porém reconhece que é necessário redobrar a atenção e jamais perder as crianças de vista. Entretanto, é válido destacar que nem todos os desfechos são assim. Há pessoas que, infelizmente, quando não resistem, precisam conviver com cicatrizes, traumas, incapacidades e dores permanentes.

“O tratamento de uma pessoa com lesões causadas por queimaduras extensas e mais comprometedoras é doloroso, exige internação, distanciamento social e procedimentos. Por mais que tentemos aliviar o desconforto, ele continua existindo. E o retorno para casa nem sempre significa recuperação total. Há pacientes que precisam de Fisioterapia, Terapia Ocupacional, reavaliações e outros acompanhamentos. Tudo por um descuido de segundos”, ressaltou o especialista.

Uso Proibido – Em caso de queimadura, nunca utilize soluções vulgares, como pasta de dente, pó de café, manteiga ou gelo para tentar aliviar a dor. Esses produtos não possuem efeito e podem agravar e atrasar a cicatrização. É importante evitar a automedicação, sendo imprescindível lavar imediatamente o local com água corrente, por pelo menos cinco minutos, ou esfriar a área com um pano limpo, frio e molhado.

“Se surgirem bolhas, não as fure ou retire sua camada. Isso pode facilitar o desenvolvimento de infecções na pele. Se o ferimento apresentar gravidade, então procure imediatamente o atendimento médico. O HGE é referência e único em Alagoas com unidade especializada no tratamento de queimaduras. Estamos com nossas portas abertas 24 horas para acolher quem precise de ajuda”, recomendou o cirurgião plástico.

Orientação – O médico também acrescenta que é preciso proteger as tomadas do acesso de crianças. Isso porque, o choque elétrico também pode causar queimaduras de risco exponencial. Ele destaca a importância do “cozimento dos alimentos com o cabo das panelas virados para dentro do fogão, uma vez que, essa medida, aparentemente simples, pode evitar o risco de lesões por escaldadura, ou seja, queimadura com líquido superaquecido”, enfatizou.