Marcola diz para filho que fumar “é coisa de Zé Mané”

COMPARTILHE
Por: iG  Data: 15/08/2022 às 18:30
Fonte de Imagem: Reprodução

O principal líder do PCC (Primeiro Comando da Capital), Marcos Willians Herbas Camacho, mais conhecido como Marcola, foi filmado conversando com o seu filho mais novo na Penitenciária Federal de Porto Velho, local em que ele está preso. As imagens, exibidas no programa Domingo Espetacular, da Record, mostram o traficante preocupado com a rebeldia do caçula.

“A gente já tem muito problema. Você vai querer ser mais um problema do que ser um ponto de alegria?”, indagou, demonstrando frustração. Na sequência, ele deixa claro que não é favorável que o filho fume cigarro e use drogas.

 “Fumar? Isso é coisa de Zé Mané. E a outra porcaria vai te levar para outro mundo e é o que você não pode”, declarou. Ele ainda questionou quais são os motivos para o garoto estar sendo rebelde com a família.

“Você estuda em um lugar bom, mora em um lugar maravilhoso, tem uma casa com piscina enorme. Sabe qual era a minha piscina, na sua idade? Era na enchente”, desabafa. O menino escuta atentamente ao pai e concorda com as falas de Marcola.

Em outro ponto da conversa, o líder do PCC explicou que tem feito exercício físico no presídio e aconselha o caçula a fazer o mesmo para ter uma boa forma física. “Eu fiquei fortão”, resume.

Na semana passada, Marcola voltou a ser o centro das atenções da Polícia Federal. Os policiais realizaram uma operação, intitulada de Anjos da Guarda, na casa da família do traficante, em Alphaville (SP), para desarticular um plano de resgate de criminosos em presídios de Brasília e Porto Velho.

A PF cumpriu 11 mandados de prisão preventiva e 13 mandados de busca e apreensão. O PCC tinha como objetivo resgatar Marcos, Cláudio Barbára da Silva e Valdeci Alves do Santos, conhecido como Colorido.

A organização planejava sequestrar autoridades para negociar a libertação dos três líderes. As advogadas Juliana de Araújo Alonso Mirandola e Simone Alonso, esposa de Barbará, foram presas pela polícia no interior de São Paulo.