HGE alerta sobre os cuidados com a hipertensão, doença silenciosa que provoca AVC e outras doenças

COMPARTILHE !!
Por: Ascom HGE  Data: 11/01/2023 às 08:45
Imagem: Thallysson Alves

Os casos clínicos continuam sendo prevalentes no Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, e boa parte deles está relacionada ao descontrole da hipertensão, doença crônica, caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias. Mesmo sendo extremamente grave, ela é silenciosa e, segundo especialistas do maior hospital público de Alagoas, representa um dos principais fatores de risco para a ocorrência de Acidente Vascular Cerebral (AVC), Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), aneurisma arterial e insuficiência renal e cardíaca.

A hipertensão acontece quando os valores das pressões sanguíneas máxima e mínima são iguais ou ultrapassam os 140/90 mmHg (ou 14 por 9). De acordo com o Ministério da Saúde (MS), 90% dos casos são genéticos, mas há vários fatores que influenciam nos níveis de pressão arterial, a exemplo do fumo, consumo de bebidas alcoólicas, obesidade, estresse, elevado consumo de sal e falta de atividade física.

“O perigo é que a doença é silenciosa durante o início de sua evolução. Poucas pessoas se queixam, mas, quando acontece, relatam dores de cabeça e tonturas, por exemplo. E a hipertensão é o mais importante e prevalente fator de risco para doenças cardíacas, que são a principal causa de mortes no Brasil e no mundo, segundo dados do Ministério da Saúde”, informou o cardiologista do HGE, Alex Vieira.

Constatação
José Miguel da Silva tem 54 anos e percebeu que a sua pressão arterial estava descontrolada há cerca de quatro anos, quando sua médica receitou uma medicação para equilibrar. Ele disse que seguiu com as orientações da especialista, exceto quando o assunto é viver uma vida mais tranquila. Como resultado, acabou chegando ao HGE com IAM, precisou de cateterismo e agora segue os cuidados com a equipe multidisciplinar da Unidade de Dor Torácica (UDT) do HGE.

“Eu estava em casa, dormindo, quando fui me virar, senti uma dor forte, dormência e meu lado esquerdo enfraquecido. Minha família me levou à UPA [Unidade de Pronto Atendimento] lá de Penedo, cidade onde moro. Posteriormente, eles me encaminharam para o HGE. Fiquei surpreso com a quantidade de exames que fiz e me sinto bem melhor. Agradeço muito todo o cuidado que estou recebendo dos profissionais”, disse José Miguel da Silva, que já foi tabagista.

Controle
A “pressão alta” não tem cura, mas pode ser controlada com o uso de medicamentos e a adoção de um estilo de vida saudável. A alimentação equilibrada é importante para a manutenção do peso, equilíbrio no uso de temperos, diminuição do açúcar e redução do consumo de alimentos gordurosos. Entretanto, também é imprescindível a prática regular de atividade física, o abandono do cigarro e o melhor aproveitamento dos momentos de lazer.

“Para o diagnóstico, basta aferir a pressão regularmente, preferencialmente em consultório médico. Pessoas acima de 20 anos de idade devem medir a pressão ao menos uma vez por ano. Se houver casos de pessoas com pressão alta na família, o tempo cai para, no mínimo, duas vezes por ano. É recomendável que as pessoas saibam medir aferir a pressão e que tenham esse controle em casa. Lembrando que os aparelhos precisam ser validados por órgãos reguladores”, orientou o médico.

O secretário de Estado da Saúde, médico Gustavo Pontes de Miranda, ressaltou que a população alagoana deve focar em ações preventivas para evitar os casos clínicos, que podem ser evitados, como o AVC e Infarto. “Cuidar da alimentação e, consequentemente, do equilíbrio da pressão arterial, é fundamental para evitar estas doenças, cujo tratamento é assegurado no HGE”, salientou.