Cruzeiro empata com o CRB e encerra 2020 sem vencer o ‘carrasco’ alagoano

Em jogo truncado, Raposa para na defesa do rival. Em quatro confrontos por Copa do Brasil e Brasileiro da Série B, time não conseguiu derrotar o adversário de Alagoas

COMPARTILHE
Por: Lance  Data: 09/12/2020 às 06:00
Fonte de Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro
Em jogo truncado, Raposa para na defesa do rival. Em quatro confrontos por Copa do Brasil e Brasileiro da Série B, time não conseguiu derrotar o adversário de Alagoas

Cruzeiro e CRB fizeram um jogo de baixo nível técnico, com muita força física, culminando em um empate por 0 a 0, na noite desta terça-feira, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, pela 27ª rodada da Série B.

O resultado foi ruim para ambos, já que os times não saíram do lugar na classificação e ainda ficaram mais distantes daqueles que estão brigando pelo G4. A Raposa está na 11ª posição, com 35 pontos, enquanto o CRB está em 12º, com 34 tentos na tabela.

Foi o terceiro empate no quarto duelo entre as duas equipes — o CRB ainda venceu um jogo pela Copa do Brasil.

Jogo travado, poucas chances de gol e baixa criatividade

Jogar com três volantes, como gosta Felipão, não tem feito mal ao Cruzeiro. Porém, quando se encontra uma equipe que preenche o meio de campo como o CRB, a criação ofensiva fica mais lenta, pois Rafael Sobis é obrigado a recuar, saindo de uma posição mais próxima à área, para tentar armar as jogadas de ataque, buscando a bola mais atrás.

Manutenção do esquema foi correta

Felipão encontrou uma forma de jogar que deu equilíbrio ao time. E, manter o trio de ataque sem um centroavante fixo, da mobilidade ofensiva. O comandante da Raposa tem, assim, alternativas para mudar o jeito de atuar. E, as entradas de Moreno e Régis foram nesse caminho. Tentar “quebrar” a marcação rival mudando as peças em campo.

Força prevaleceu sobre a técnica

CRB e Cruzeiro tiveram muita disposição em campo. Mas, pouca técnica, ou jogadas que criassem chances claras de gols.

A saída de Régis do time é compreensível

Mesmo sem outro jogador com as suas características no elenco da Raposa, o meia Régis não consegue se impor e ficar no time titular, apesar da necessidade de um armador de origem no meio de campo, que atua com três volantes, que mais marcam, do que armam.

Felipão preferiu “morrer” com uma substituição por fazer, do que testar Giovanni Piccolomo

O treinador da Raposa já havia reclamado do peso do meia, que está treinando há um bom tempo no clube. Mas, na insistência com Régis, poderia arriscar e tentar ver o que Giovanni poderia fazer para abrir a defesa do CRB.

Cruzeiro encerra os duelos contra o CRB sem conseguir derrotar os alagoanos

O time mineiro encarou o Galo das Alagoas quatro vezes em 2020. Duas na Copa do Brasil, quando foi desclassificado, e mais duas pela Série B. foram três empates e uma vitória do CRB, tendo Léo Gamalho, que deixou o time no meio da competição, como seu “carrasco”.

Chance perdida de somar pontos e ver o G4 mais de perto

A igualdade diante do CRB mostra que o Cruzeiro continua sem regularidade em suas atuações. A falta de sequência pode ser fatal nas pretensões de ainda pensar no acesso.

Próximos jogos

A Raposa duela com o Vitória-BA na sexta-feira, 11 de dezembro, às 21h30, no Barradão, em Salvador. Já o CRB terá pela frente a Chapecoense, na Arena Condá, no sábado, 12, às 21h.

FICHA TÉCNICA

CRB 0 X0 CRUZEIRO
Data-Horário: 8 de dezembro, às 21h30
Estádio-Local: Rei Pelé, Maceió(AL)
Árbitro: Dyorgines Jose Padovani de Andrade(AL)
Assistentes: Eduardo Goncalves da Cruz(MS) e Vanderson Antonio Zanotti(ES)
Cartões amarelos: Luiz Paulo(CRB), Lucão do Break(CRB), Reginaldo(CRB), Matheus Pereira(CRU), Claudinei(CRB). Jadsom Silva(CRU)
Cartões vermelhos:-


CRB: Douglas Borges; Reginaldo, Gum(Thalisson Kelven, aos 31’-2ºT), Xandão e Luiz Paulo; Claudinei, Wesley(Moacir, aos 31’-2ºT) e Diego Torres; Lucão do Break(Daniel Amorim, aos 30’-2ºT), Bill(Luidy, aos 6’-2ºT) e Robinho(Yuri, aos 6’-2ºT). Técnico: Ramon Menezes

Cruzeiro: Fábio; Raúl Cáceres, Manoel, Ramon e Matheus Pereira; Adriano, Jadsom e Filipe Machado(Jadson, aos 17’-2ºT); Welinton(Régis, aos 12’-2ºT), Arthur Caíke(Patrick Brey, aos 36’-2ºT) e Rafael Sobis(Marcelo Moreno, aos 12’-2T). Técnico: Luiz Felipe Scolari