Criatura com jeito de cobra e dentes afiados é encontrada no litoral brasileiro

COMPARTILHE
Por: Olhar Digital  Data: 06/03/2022 às 08:33
Fonte de Imagem: Reprodução Instagram

Uma criatura bastante “misteriosa” foi encontrada na Praia da Trincheira, em Ilha Comprida, no litoral de São Paulo, na manhã da última terça-feira (1).

O animal foi localizado na faixa de areia pela fotógrafa Monica Novaes, que fez um registro do bicho e publicou em suas redes sociais.

Intrigada com o suposto “monstro do mar” de quase dois metros de comprimento, jeitão de cobra e dentes afiados intrigou a fotógrafa, que tratou de investigar o que seria aquele animal.

“A foto desse bicho esquisitão aí causou curiosidade por aqui e, na dúvida, perguntei aos biólogos de plantão se se tratava de uma MOREIA ou uma ENGUIA. Vários biólogos seguidores contribuíram, obrigada!”, escreveu Monica no Instagram.

E, sim, ela teve uma resposta, que foi devidamente postada junto com a imagem da criatura. “A principal característica que difere as duas espécies é a de que a Moreia não possui barbatana, diferente das enguias.
Então está resolvido o mistério: essa é uma bela de uma moreia!”, disse.

Moreia: a serpente dos mares

No texto, a fotógrafa ainda deu mais detalhes sobre o animal (de um modo “sincerão”, diga-se de passagem). “A moreia é um peixe feio, isso não se pode negar. Ela tem o corpo longo e cilíndrico que lembra uma serpente e uma boca cheia de dentes que dá à espécie uma aparência assustadora. No entanto, seu sabor pode surpreender quem decidir experimentar esse estranho ser dos mares”, contou.

A fotógrafa prosseguiu seu relato dizendo que a moreia é conhecida como caramuru pelos índios Tupinambá. Além disso, também é chamada de serpente dos mares por causa do seu formato. “Apesar de parecer uma cobra, a moreia é da mesma família da enguia. A maior chega a ter 4 metros de comprimento. É um peixe sem escamas e sem couro. Sua pele é formada por cores que servem de camuflagem”, acrescentou.

Segundo Monica, os animais podem estar na superfície, mas também habitam as profundezas dos oceanos. “Em níveis mais profundos, costumam ficar escondidos em cavernas, nas quais passam o dia ‘dormindo’. Quando na superfície, ficam com a cabeça de fora e a boca aberta com dentes à mostra. Para quem observa, a visão é assustadora”, admitiu.

Por fim, ainda fez um alerta. “Como as moreias são peixes elétricos, elas dão choque. Isso acontece porque os animais possuem células musculares modificadas que são responsáveis pelos impulsos elétricos chamados eletrócitos. Apesar de pouco vistas, as moreias são muito comuns aqui no nosso litoral”, completou.