Conselho de Farmácia de Alagoas faz alerta para o uso da dexametasona na fase leve da Coronavírus

Uso indiscriminado aumenta a capacidade de infecção e desenvolvimento de sintomas

COMPARTILHE
Por: Ascom CRF/AL  Data: 17/06/2020 às 13:02
Fonte de Imagem: Denny Cesare /AE
Uso indiscriminado aumenta a capacidade de infecção e desenvolvimento de sintomas

Foi veiculado na terça, 16, um estudo realizado pela Universidade de Oxford que comprova a eficácia da dexametasona na redução das mortes por Covid-19. A redução, segundo o estudo, foi de um terço em pacientes que precisavam de tratamento com oxigênio. O Conselho Regional de Farmácia de Alagoas (CRF/AL) faz um alerta quanto ao uso deste medicamento fora do ambiente hospitalar.

O secretário-geral do CRF/AL, Daniel Fortes, explica que desde o início da pandemia, os corticosteróides, como a dexametasona, metilprednisolona e hidrocortisona vêm sendo utilizados em quase todos os protocolos para tratamentos das formas graves da COVID-19, para combater a inflamação mais intensa provocada pelo vírus no organismo. “O uso deste medicamento sempre foi defendido pela maioria dos profissionais que trabalham com informações baseadas em evidências para pacientes internados e em tratamento com ventilação mecânica”, pontuou.

Daniel ressalta que o uso de corticosteróides, como a dexametasona, na fase viral da COVID-19, quer por via oral ou injetável diminui a resposta imunológica do usuário, podendo aumentar a capacidade de infecção e desenvolvimento de sintomas (incluindo os graves). “Temos que levar em consideração os efeitos colaterais do medicamento e também o risco do surgimento de infecções oportunistas. Além disso, existem sérios riscos no uso do medicamento na fase leve da doença, não devendo o paciente se automedicar em hipótese algum com os corticoides".

O farmacêutico lembra que este é um medicamento que só pode ser comprado com prescrição médica, mesmo assim, segundo ele, a preocupação que a população corra às farmácias para comprar o medicamento como forma de prevenção é enorme. “Foi isso que aconteceu quando foi divulgado o estudo com a hidroxicloroquina, azitromicina, anticoagulantes, aqui nós fazemos um alerta para que as pessoas não comprem os medicamentos, a automedicação pode levar a morte”, comentou.