Celulares e computadores devem ficar mais caros em 2022

COMPARTILHE
Por: Agências  Data: 07/09/2021 às 17:01
Fonte de Imagem: Reprodução

A crise dos semicondutores está longe de acabar e isso deve continuar a afetar os preços e oferta de produtos eletrônicos por algum tempo. Segundo relato do site Nikkei, o preço dos componentes deve subir ainda mais em 2022, impactando diretamente a fabricação de celulares, computadores e automóveis. Com isso, itens como iPhone, iPad e demais gadgets também terão um acréscimo no valor.

Além disso, a estratégia mercadológica dessas empresas deve ser modificada. Marcas como Samsung e Xiaomi, por exemplo, possuem uma vasta gama de celulares intermediários e de entrada, que atendem uma alta parcela dos clientes. Com a falta de semicondutores para a fabricação desses produtos, as empresas vão focar na criação de modelos com maior valor agregado para compensar a defasagem nas receitas.

O preço de alguns componentes teve aumento de mais de 400% no ano passado, indo de US$ 0,20 cada para mais de US$ 1. No caso da Apple, que adota um outro tipo de linha de produção, a diferença será vista nos preços do vindouro iPhone 13, com um acréscimo considerável no valor de revenda já este ano.

Em outros mercados, como o automotivo, além do preço, as montadoras têm esvaziado os automóveis. A Volkswagen, por exemplo, passou a ofertar modelos como Fox, Nivus e Polo sem suas centrais multimídia de série.