Ator Paulo Gustavo morre de complicações da Covid-19

COMPARTILHE
Por: Correio  Data: 05/05/2021 às 05:25
Fonte de Imagem: Reprodução

O humorista Paulo Gustavo, de 42 anos, morreu na noite desta terça-feira (4) em decorrência de complicações causadas pela Covid-19. Ele estava internado em um hospital da Zona Sul do Rio de Janeiro (RJ) desde o dia 13 de março.

Humorista é intubado com Covid-19

Niteroiense, Paulo também acumulava as funções de ator, diretor, roteirista e apresentador. Formado pela Casa das Artes de Laranjeiras, em 2005, o artista integrou uma geração de grande nomes do humor formada pelo centro de treinamento, ao lado de nomes como Fábio Porchat e Marcus Majella.

Ele teve como principal marca na carreira a personagem Dona Hermínia, nascida na peça “Surto”, de 2004, inspirada na própria mãe o ator. O sucesso retumbante fez com que o humorista ganhasse seu próprio monólogo, “Minha Mãe É Uma Peça”, que se tornou filme com duas continuações e até mesmo livro.

Paulo Gustavo sofre embolia e deve passar por nova cirurgia de altíssimo risco

Sua atuação bem-humorada como Dona Hermínia — que reúne diversas observações domésticas e vivenciais de uma dona de casa de meia idade — lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Shell, uma das principais honrarias do teatro brasileiro, no ano de 2006.

No ano de 2018, a apresentação teatral de “Minha Mãe é Uma Peça” virou DVD, tendo como palco uma lotada Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador.

Além de sua “obra-prima”, Paulo Gustavo também teve outros trabalhos marcantes, como a minissérie “Divã”, as sitcoms “Vai Que Cola” e “A Vila”, a peça “Hiperativo” — onde ele mesmo era personagem — além do humorístico “220 Volts”, que foi produzido para a televisão, para o cinema e para o teatro.

Abertamente homossexual desde a adolescência, o humorista era casado com o dermatologista Thales Bretas desde 2017. O humorista deixa dois filhos, Romeu e Gael, nascidos em 2019.

Quadro clínico
Paulo Gustavo foi internado em 13 de março por conta de um quadro de contaminação pelo novo coronavírus. No dia 21, precisou ser sedado e intubado para dar continuidade ao tratamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O humorista fez uso de Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO), técnica que permite oxigenação extra corpórea com ajuda de aparelho para auxiliar na recuperação, no entanto, teve seu estado clínico considerado como “crítico” na tarde de 11 de abril, por conta de complicações hemorrágicas.

No domingo (2), os médicos diminuíram os sedativos e bloqueador neuromuscular e Paulo chegou a acordar e interagir com a equipe médica e o marido. À noite, contudo, ele teve uma piora acentuada e exames mostraram “ter havido embolia gasosa disseminada, incluindo o sistema nervoso central, em decorrência de uma fístula bronquíolo-venosa”, segundo o comunicado médico. A situação dele ficou “instável” e era de “extrema gravidade”.