Instituto de Criminalística realiza mutirão para exames de balística

COMPARTILHE
Por: Array / Assessoria  Data: 13/02/2019 às 20:05
Fonte de Imagem: Assessoria

Ação dará celeridade na confecção de laudos utilizados como provas periciais em investigações criminais

Peritos criminais de várias áreas do Instituto de Criminalística de Alagoas estão participando de mutirões para realizar exames de balística. A força tarefa busca reduzir, neste primeiro momento, o passivo de requisições periciais referente ao ano de 2018.

Em um único dia foram realizados 150 exames de identificação, eficiência e funcionamento de arma de fogo. Entre os exames realizados estão os de eficiência de munição com realização de queima de carga propelente (pólvora) e percussão de cápsula de espoletamento.

A coordenação do mutirão está sendo realizada pelo perito criminal Paulo Rogério que é especialista em balística.  Ele explicou que os voluntários recebem orientações sobre a realização dos exames e confecção do laudo, bem como do prazo estabelecido para entrega do documento pericial.

“No dia do mutirão, o perito realiza a coleta de dados em cima do material examinado para posteriormente confeccionar o laudo pericial. Dessa forma, estamos garantindo uma celeridade maior nos exames, e fornecendo assim subsídios para compor inquéritos policiais e processos judiciais,” disse o perito.

Paulo Rogério esclareceu ainda que durante o mutirão estão sendo realizados apenas os exames periciais de menor complexidade, onde não requer uma especialização do profissional. Outros exames mais complexos, como no caso de confrontos balísticos, estão sendo feitos pelo pessoal da Chefia de Balística Forense.

Wellington Melo, Chefe Especial do Instituto de Criminalística explicou que 22 peritos criminais participam voluntariamente do projeto que já concluiu 270 casos nos últimos dois meses.  Ele esclareceu que a chefia de balística mantém suas atribuições com realizações de exames diariamente e, uma vez por mês, o grupo de voluntários se reúne para fazer o mutirão.

“A ideia deste projeto é de unir forças com a produção ordinária do setor de Balística Forense, a fim de que em um médio prazo possamos acabar com as pendências da área. Desta forma, as demandas atuais serão atendidas de forma tempestiva, o que fortalecerá o sistema de segurança pública e de justiça”, afirmou Wellington Melo.